terça-feira, 9 de outubro de 2012

Eleições Burguesas - Belas palavras de um camarada...

Não ganho salário, nem mesmo o aceitaria,
Estou na rua e luto por ideologia!
Tenho tarefas e reuniões todos os dias.
Vou para assembleias, atos e congressos,
Vou para sindicatos, universidades e portas de fábrica,
Vou para o campo, vou para a cidade.
Já tive que me despedir dos amigos, das namoradas e da família,
Já perdi camaradas que lado a lado comigo lutaram
Já fui preso e fui torturado!
É camarada, Não é mole não, Não é mole não.
Já até mesmo encomendaram minha morte.
Quando me deram por vencido,
Resisti e hoje me reapresento firme e forte!
Não venci essa eleição,
Sinto-me abatido,
Levanto minha cabeça e volto para minha rotina.
Quando me questionam se valeu a pena,
Eu respondo:
Nossa revolução não será feita de quatro em quatro anos ou mesmo de dois em dois anos,
Nossa revolução eu construo no dia a dia,
Pois somente de uma coisa eu tenho certeza,
Que nossos sonhos são grandes demais para a urna da burguesia!

Hugo Bras, UJC-RJ

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Questão do Campo




Nos últimos tempos, o MST tem vivido com a incoerência do governo. Cada vez mais aumenta o investimento no agronegócio em detrimento da reforma agrária.
Em março de 2011, o movimento iniciou uma luta na região norte do estado, onde as famílias acampadas levaram para o governo do estado a demanda de assentamento de mil famílias até o final do ano. Após essa mobilização, foi fechado o acordo de que até setembro de 2011 seriam assentadas  400 famílias.
Chegando o mês de setembro o governo não havia cumprido o acordo. As famílias voltaram a se mobilizar, ocupando uma área em Viamão que era utilizada para o plantio de maconha. Essa movimentação resultou na conquista de uma área da secretaria de segurança no município de charqueadas, além da promessa de que, em 10 dias, o governo apresentaria a proposta de uma segunda área na região.
Passado esses 10 dias, não foi apresentado nenhuma proposta.  As famílias ocuparam, então, uma área da FEPAGRO, que há 17 anos está  sendo arrendado para particulares. Essa ocupação tinha o objetivo de assentar as famílias em Eldorado, e também em uma segunda área, que estava ociosa.
Depois de muita pressão o governo fez mais um acordo com as famílias acampadas:
1. Seria permitido ocupar parte da área de charqueadas imediatamente, e o restante da terra seria liberado até junho de 2011.
2. O governo faria um assentamento coletivo na área de eldorado e se constituiria um grupo, a fim de discutir uma produção de arroz ecológico.
3. Seria realizado o assentamento da área de Taquari.
Até hoje o governo não cumpriu nenhum desses acordos. Mesmo assim, as famílias foram ocupando as áreas, constituindo na prática os assentamentos.
 Na última semana, voltou-se atrás no acordo; devido à pressão da Federação da Indústria e Comércio, quer-se vender a área de Eldorado. Em Charqueadas, faz-se pressão para retirar do assentamento a melhor parte da área ocupada.
As famílias decidiram que não vão aceitar este retrocesso e se mobilizaram. Além de ocuparem as áreas que tem direito, começaram a produzir nelas. O GTUP foi solidário nesse momento; Visitamos o assentamento de Eldorado, a fim de registrar a essa mobilização.
É vergonhosa a atitude do governo. Retirar áreas, agora produtivas, que geraram renda para dezenas de famílias, em favorecimento de grandes companhias é no mínimo questionável; é realmente injusto.
O GTUP legitima a luta dessas famílias mobilizadas. Esperamos que a partir desse primeiro contato com o movimento, possamos trocar experiência e construir juntos à esses companheiros uma grande relação de solidariedade.




domingo, 5 de agosto de 2012

Materiais a venda!

INTERESSADO?!? MANDE UM EMAIL PARA ujcportoalegre@gmail.com

quinta-feira, 26 de abril de 2012

ELEIÇÕES DCE UFSM: CAMINHANDO CONTRA O VENTO

APRESENTAÇÃO

Começou a campanha para o Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UFSM! Convidamos tod@s a conhecerem a CHAPA 2 CAMINHANDO CONTRA O VENTO: a alternativa que os estudantes buscam para um DCE comprometido, verdadeiramente, com a comunidade estudantil e com o projeto de Universidade Pública, gratuita e de qualidade – uma universidade voltada às demandas reais da população; um DCE autônomo a governos, reitorias, partidos e empresas.

Uma gestão de DCE deve pautar a integração dos alunos, organizando eventos culturais e esportivos. Da integração, o DCE deve fomentar o debate das necessidades de cada aluno, de cada curso, de todos os campi, para buscar soluções. Tudo isso só acontece se o DCE buscar novas maneiras de se aproximar dos estudantes, ouvi-los e ser ouvido. O DCE deve estar presente na rua, no dia-a-dia dos estudantes.

Caminhando contra o vento surge a partir da unidade entre setores do movimento estudantil que não concordam com a política de atrelamento da atual gestão do DCE ao governo federal nem com o apoio às políticas de precarização e privatização do ensino superior. Além do mais, a Chapa 2 não concorda com a negligência aos debates necessários para a luta pela educação e pelos nossos direitos enquanto estudantes.

A CHAPA 2 Caminhando contra o vento defende um DCE que não seja apenas representativo, mas também participativo; que não faça uma gestão apenas em gabinetes, mas com muita discussão e lutas nas ruas, servindo de instrumento para a organização dos estudantes. Conheça mais nossas propostas.

2ª Conferência Internacional da Juventude Trabalhadora

Nos dias 29 e 30 de abril de 2012 será realizada em Havana a 2ª Conferência Internacional da Juventude Trabalhadora. Jovens sindicalistas de todo o mundo se reunião para debater sobre o desemprego juvenil e os desafios atuais da juventude trabalhadora. Os participantes também participarão da grande manifestação do 1º de Maio em Havana.

sexta-feira, 20 de abril de 2012

FALECIMENTO DO HISTÓRICO CAMARADA HUGO NEQUESAUERT


Hugo Nequesauert é o de bigode, à esquerda de
Perseverando Santana, também membro do Partido
que viveu mais de 90 anos, falecido em 2008
Ontem, em Sant´Ana do Livramento, RS, faleceu nosso camarada Hugo Nequesauert, último sobrevivente do episódio conhecido como a  Chacina de Comunistas, ocorrida naquela cidade em setembro de 1950.

Hugo foi operário do Frigorífico Armour e depois mecânico naquela cidade, membro ativo do Partido, um homem de pensamento e de ação.

Em 1949, foi um dos líderes de uma greve no Frigorífico Armour que o manteve paralisado durante vários dias e, por isso, muitos companheiros de Partido e grevistas foram presos.  Familiares dos presos se dirigiram ao Partido para que interviesse em favor dos detidos e Hugo recebeu a missão de retirar, de qualquer maneira, os presos de um trem onde, supostamente, seriam levados para Porto Alegre, sob escolta policial. Armado de um pequeno revólver,  Hugo tomou o trem em uma estação intermediária, disposto a cumprir a ordem do Partido, mesmo que isso exigisse o sacrifício de sua vida. Felizmente, para Hugo e para a escolta, os presos continuavam detidos na Delegacia de Polícia de Livramento e não se encontravam  no trem que ia à Porto Alegre.

Esse pequeno episódio, praticamente anedótico, demonstra  não só a coragem de Hugo, mas sua dedicação ao Partido.

Em setembro de 1950, vésperas de eleições, o Partido pretendia fazer uma pichação a esse respeito. Para tanto, precisava do consentimento das autoridades.  O Partido recebeu a notícia da autorização e dirigiu-se,praticamente em peso, ao Largo do Internacional, na divisa com a vizinha Rivera, no Uruguai. Mas, o Partido foi enganado e a autorização foi revogada, sem aviso ao Partido. As autoridades mandaram um pelotão da Brigada Militar que estacionou  a uma quadra do local e policiais para enfrentarem os camaradas. O 7º Regimento de Cavalaria do Exército ficou de prontidão para intervir se fosse necessário. Cerca das 22 horas, os policiais chegaram, atirando e a Brigada, logo após.

Mas, deixemos o próprio Hugo narrar os fatos, em entrevista ao jornalista Marlon Aseff, com aquela  linguagem característica da zona da fronteira:

Em 1950, quando aconteceu a chacina eu não estava mais no Armour. Já tinha sido botado para a rua, por causa da greve que fizemos. Havian sindicalistas, casi todos, mas era el partido que estava determinando os acontecimentos. Era época de eleição, se supo que la policía ia tomar represálias, e se consultó a Porto Alegre e yo era uno, solo yo, que estava com Lúcio quando recibió ordenes de que podian hacer pichamento legalmente, que estava todo determinado de que no ia passar nada. Entonces aí se resolvió hacer, se convocó a la gente toda e se fez, se começó a pichar, quando vê, somos surpreendidos pela polícia. E chegou atirando, insultando e atirando e matando. E matou quatro! Havia 15 o 17 personas quando mucho, no havia más...Unos dirigian el trabajo e otros executavan ele trabajo. Estavam completamente desprevenidos, a arma deles era o pincel e a cal. Houve um que estava pichando, era parente do Perseverando, tinha uma fustinha, sabe o que é fusta? Um relhinho, e brigou de fusta. Tinha outro, que morreu, o finado Aristides Corrêia, que tinha um aparato que vinha nos carburadores dos auto antiguo, como que uma güela, assim, flexíble, e deu três ou quatro mangasso num deles com aquilo, e caiu morto, assassinado. Era mais ou menos las diez de las noche, era temprano todavia[...] o Ari Kullmann era o dono da Cueva. E recebia a polícia, a polícia se dava com ele, os que mataram ele não saíam de lá, jantando de noite e comendo sempre. Tinha um uruguaio, me parece que si, que era do centro do Uruguai, mas que fazia muitos anos que morava em Livramento, trabalhava no Frigorífico Armour, se chamava Aladin Rosales, e esse era um dos que podia ser castilhano. Esse foi um dos que morreu também. (...)


Era o Exército castilhano que vinha para a linha, Veio para a linha, ocupou a linha, o próprio Exército salvou um comunista, o Santos, me quiero acordar del nombre del, salvou porque caiu baleado das duas pernas e veio um metralhar ele com fuzil, foi quando eu saí dali, eu já não tinha mais bala e chegou o caminhão da polícia com mosquetão, o Exército. Iam fuzilar ele, e o milico castelhano disse que não, que não permitia, que ele tava no Uruguai- portanto o responsável por ele eram eles. E levaram ele, hospitalizaram ele e tudo, mas ele foi preso e o que salvou ele, era um tocaio dele por coincidência (risos) [...] O Lúcio foi curado no Polla, na Sarandi lá no fundo, num doutor que era comunista, Dr. Polaco Polla, chamavam ele, era russo, mas era médico castelhano, curou ele e imediatamente que curou ele, deu salida para ele pelos fundos, pelos muros da casa dele e comunicou a polícia que tinha curado um ferido, porque ele tem obrigação de anunciar né? Mas só depois que curou bem, ele largou. Ah, o Lúcio ficou em Rivera, e depois quem saía com ele era eu, só eu saía com ele. Ele ia com um prato de comida e um pano agarrado assim, disfarçado de mendigo, e era tempo de eleição no Uruguai também, e ele gritava - o partido Batllista era o de maior prestígio- e ele gritava: "Viva Batlle" em castilhano (risos), não muito bom castelhano, mas, e eu atrás dele. (risos)”.

(Fonte da entrevista: http://jogosdamemoria.blogspot.com.br/2010/05/rosales-e-kulmann-irmaos-aristides-e-tu.html)

Por isso, hoje dizemos:

CAMARADA HUGO NEQUESAURT, PRESENTE!

quinta-feira, 19 de abril de 2012

O PCB e as próximas eleições na Venezuela


NOTA DO SECRETARIADO NACIONAL DO PARTIDO COMUNISTA BRASILEIRO

Recebemos respeitosamente convite para aderirmos ao Manifesto “O Brasil está com Chávez” e participarmos da reunião preparatória de seu lançamento, um ato público com o mesmo título do manifesto.

Entendemos que o governo Chávez – em conjunto com os diversos movimentos sociais e políticos que lhe dão sustentação – contribui significativamente para o avanço das causas populares e da luta anti-imperialista na América Latina. Ainda que não tenha deliberado formalmente sobre a questão, o PCB, seguramente, tenderá a se posicionar firmemente pelo apoio a Chávez nas próximas eleições presidenciais na Venezuela, ainda mais que seu adversário principal é um agente do imperialismo.

Sem sermos “chavistas”, temos apoiado a chamada revolução bolivariana de forma independente e por vezes crítica, como fazem, também, em relação a Chávez, os camaradas do Partido Comunista da Venezuela. Consideramos que é fundamental o papel de Chávez no processo de mudanças na Venezuela, mas que este só será mantido e aprofundado, criando condições para transitar ao socialismo, se iniciar-se a superação das instituições do estado burguês e se os trabalhadores assumirem o protagonismo principal.

Não assinaremos o manifesto proposto porque não concordamos com a afirmação, de que a “chegada [de Chávez] à presidência coincidiu, no impulso dessa onda transformadora, com a etapa da eleição de muitos presidentes democráticos e progressistas em seus respectivos países, entre eles Luís Inácio Lula da Silva, no Brasil”.

Se é fato que alguns poucos presidentes eleitos neste período (como Evo Moralez e Rafael Corea) têm perfil progressista, este não é certamente o caso, em nossa opinião, de Lula e de sua sucessora. Eles não apenas mantiveram as políticas econômicas neoliberais de FHC como aprofundaram algumas, como nos casos da reforma da previdência, dos leilões do petróleo, da criação das Organizações Sociais – uma forma de privatização branca de instituições públicas – da privatização de aeroportos, estradas e estádios esportivos, do retrocesso na reforma agrária e muitos outros exemplos. Não são progressistas governos que asseguram, como política de Estado e com recursos públicos, extraordinários lucros aos banqueiros, empreiteiros, latifundiários e ao capital em geral, como nunca na história desse país, tendo como objetivo central elevar o Brasil à categoria de potência capitalista mundial.

Por essa razão, recomendamos aos nossos militantes e amigos que não assinem o manifesto “O Brasil está com Chávez”, ao mesmo tempo que conclamamos os organizadores do manifesto e todas as forças progressistas brasileiras a construirmos um movimento amplo e unitário pela reeleição de Hugo Chávez, que tenha como ponto de unidade a luta contra o imperialismo e não o apoio ou a crítica aos governos brasileiros.

De nossa parte, seguiremos apoiando, com nossa identidade e autonomia, os governos e movimentos políticos e sociais progressistas na América Latina e em todas as partes do mundo, e nos manteremos em oposição ao governo Dilma, herdeira direta do governo Lula.

Rio de Janeiro, 19 de abril de 2012

Secretariado Nacional

Brasil redescoberto

MIGUEL URBANO RODRIGUES

No novelo de contradições que é o Brasil neste início do século XXI as assimetrias sociais são um obstáculo ao avanço da luta de massas. Existem condições objectivas muito favoráveis para a condenação da política actual. Mas faltam as subjectivas.

Esforcei-me, sobretudo no diálogo fraterno com camaradas do PCB no qual militei nos anos da ditadura para acompanhar o movimento da História e da vida no Brasil contemporâneo, em vertiginoso, permanente, quase alucinante processo de transformação.

A reflexão sobre o que vi, ouvi, estudei nestas semanas reforçou paradoxalmente o meu optimismo.

No início dos anos 30 do século passado, o escritor austríaco Stefan Zweig escreveu um livro polémico, «Brasil, país do futuro». Deixara a Europa enojado com a ascensão do nazismo na Alemanha. Ao desembarcar no Rio e viajar pelo interior, a paisagem humana e física que o envolveu produziu nele um efeito estranho. Não imaginava que pudesse existir uma sociedade como aquela no quadro tropical que o fascinou.

No Brasil em acelerado processo de miscigenação anteviu uma humanidade distante, fraterna, sem guerras, na qual o racismo teria desaparecido.

Essa visão romântica, retomada pelo historiador Sérgio Buarque da Holanda com o mito do «homem cordial brasileiro», foi rapidamente desmentida. Em plena fase da industrialização, uma cruel ditadura militar de duas décadas mergulhou o Brasil numa atmosfera de violência. Ali, como em qualquer outro país, no homo sapiens o apelo da barbárie coexistia com a capacidade de realizar prodigiosas conquistas civilizacionais.

A previsão de Zweig foi desacreditada pelo andamento da História. Os crimes da ditadura coincidiram com um aprofundamento da dominação imperialista e da desigualdade social. O fosso entre a miséria e a riqueza ampliou-se além do imaginável. O Brasil tornou-se um país de párias e milionários.

Em 1957, quando desembarquei em São Paulo, a cidade tinha 2,3 milhões de habitantes e uma única favela; ao regressar a Portugal em 1974, após um exílio de 17 anos, a área metropolitana da gigantesca megalopolis ultrapassara já os 10 milhões e um gigantesco cinturão de miséria alastrava pela periferia. Hoje são 18 milhões.

Finda a ditadura, ao revisitar São Paulo em 88, não foi fácil ambientar-me. O conflito entre a modernidade e o arcaísmo ampliara-se extraordinariamente. Recordei que Levy Strauss definira o Brasil como a terra da «decadência do inacabado», impressionado pelo ritmo das transformações capitalistas marcadas pela dicotomia construçao-desconstruçao.O novo ali envelhece vertiginosamente sem estar terminado.

A vida ofereceu-me a possibilidade de voltar ao Brasil com muita frequência no último quarto de século. Ali sinto-me brasileiro, ali deixei filhos e netos, na tradição da diáspora portuguesa.

Foi no Brasil, participando nas lutas do seu povo, que me descobri como revolucionário e me tornei comunista, me transformei, na aprendizagem da breve aventura da vida, no homem que sou.

O distanciamento físico, a partir do 25 de Abril, não afectou o amor pela terra e aqueles que a povoam.

Mas a mutação da vida nas grandes cidades brasileiras, nas selvas, sertões e cerrados do país é tão profunda e vertiginosa que em cada regresso sinto com força o choque do novo, do inesperado.

Voltei agora. A convicção de que não atravessarei mais o Atlântico terá contribuído para que sensações, imagens e ideias entrassem em mim ora em desarrumada invasão, ora reabrindo na memória alamedas que a poeira do tempo fechara. Joyce e Proust foram meus companheiros em três semanas de um reencontro com amigos e camaradas que se movem em cidades que, revisitadas, me tocam como seres vivos em diálogos imaginários.

Uma ausência, para mim longa, de quatro anos, imprimiu a estes dias brasileiros a marca de um tempo de revelações, porque o contacto com o real tido por íntimo era recebido e arquivado como novo.

Caminhando por São Paulo, ao levar a minha companheira a bairros e lugares que eu não via há décadas, senti-me muitas vezes numa cidade desconhecida. Aquilo era simultaneamente, repito, íntimo e novo.


MEGALÓPOLIS ALUCINATÓRIA

Por São Paulo circulam hoje 7 milhões de carros e camiões. A cada semana milhares de veículos novos aparecem nas ruas saídos das fábricas das grandes transnacionais do automóvel instaladas no país. O Brasil é actualmente o quinto produtor mundial de carros, com três milhões de unidades por ano.

Os táxis são caríssimos, os restaurantes também. O preço dos apartamentos de qualidade é três a quatro vezes superior ao de Portugal.

Um abismo separa na pirâmide salarial os de cima dos de baixo. O salário mínimo é inferior ao português, mas os parlamentares e os professores universitários de topo- dois exemplos - têm vencimentos muitíssimo superiores. Os banqueiros e gestores das grandes empresas também ganham muito mais.

O tráfego em São Paulo envolve a cidade numa atmosfera angustiante. O quotidiano é marcado pela imprevisibilidade de engarrafamentos monstruosos. Em algumas avenidas, os corredores reservados aos transportes públicos geraram esperanças ilusórias. Os rodízios também não resolveram os problemas de um trânsito infernal até porque muitas famílias têm três e quatro carros para fintar a proibição de circular em determinados dias. A dificuldade para estacionar, inclusive nos parques, é inimaginável para os estrangeiros, porque a dimensão do desafio supera muito a das grandes cidades europeias e norte-americanas.

O gigantesco caos de São Paulo, diferente do que modela o quotidiano das megalópolis africanas e asiáticas, assusta o forasteiro. A sensação de quem chega é a de que aquilo não pode continuar como está e que viver ali é um pesadelo.

Mas os bairros ricos de São Paulo superam pela modernidade e luxo, no Jardim Europa, no Jardim América, no Pacaembu, no Morumbi, o que no género conheço de Caracas, do México, de Nova Iorque e Paris. Porque a grande burguesia paulista, ao invés das europeias, gosta de exibir ostensivamente a sua prosperidade insolente, ao lado da miséria degradante que a envolve.

Mas, passados dias, o forasteiro repensa, medita nas contradições, hesita, tenta compreender e principia a assimilar o lado invisível da vida. É tocado pelo feitiço brasileiro.

Os absurdos perturbam. Na grande cidade, nos espaços verdes, há mais aves do que nas europeias. A violência, filha da desigualdade, indigna e intimida, mas as pessoas, nas ruas, nas lojas, nos transportes, são amáveis, cordiais. O desconhecido, ao contrário do habitual na Europa, surge, logo no primeiro contacto, com o perfil de um amigo potencial.

Em São Paulo como no Rio, a alegria de viver, mesmo nos bairros degradados, em favelas imundas, paira na atmosfera, brota dos sorrisos, dos gestos. Por mais sombrias que sejam as perspectivas do amanhã, o paulista, como o carioca, enxerga luz no fundo do túnel, cultiva o humor, o futuro próximo é para ele marcado pela esperança e não pelo medo.

O debate de ideias é não apenas efervescente, mas criador. Isso acontece no Teatro, no Cinema, na Pintura, na Arquitectura, na Literatura, nas Ciências Sociais.


CONTRADIÇÕES

No Rio, a cintura de praias, num cenário paradisíaco, deslumbra, é uma festa para os sentidos.

Mas à beira do Atlântico, quase subindo das areias, encastoadas em morros verdes, crescem como cogumelos gigantescas favelas misérrimas que exibem o rosto de uma desigualdade social afrontosa da condição humana.

Os media internacionais dedicaram milhares de palavras à ocupação pelo exército e pela polícia militar de algumas das favelas mais famosas para erradicar o crime organizado e o tráfico de droga. Houve quem acreditasse que essas operações tinham assinalado o fim de uma era. Engano. Muitos bandidos regressaram, o tráfico persiste com a cumplicidade dos militares.

O crime está enraizado no submundo das favelas, povoadas de gente boa, a dois passos dos esplendores de Copacabana e da Tijuca.

O governo de Dilma Roussef repete incansável, que a desigualdade social está a diminuir rapidamente no Brasil. Mente. Na estratificação de classes as clivagens são muito mais acentuadas do que na Europa. E aprofundaram-se nos últimos anos.

O estamento superior da classe média toma como modelo os EUA. Na sede de modernidade, na maneira de vestir, no estilo de vida, nos lazeres.

Na juventude com acesso ao ensino superior a obtenção de um diploma confere status, mas a maioria da classe média alta manifesta um interesse mínimo pela compreensão dos grandes problemas do país e da humanidade. Julga-se culta, mas está distanciada da cultura nas suas múltiplas vertentes.

Numa ronda pela noite paulista impressionou-me na Vila Madalena a transformação da área que eu conhecera há um quarto de século como bairro em que predominavam modestas casas de uma pequena burguesia anémica.

Agora exibe o rosto de um Soho brasileiro, um Greenwich Village paulista. Em bares, cafés e restaurantes, em galerias de arte onde transparece o bom gosto, desde a fachada à decoração, convive alegremente uma juventude para mim desconhecida.

Certamente é heterogénea. Mas, a avaliar pelo bairro e o que sobre ele li, o interesse da brilhante Vila Madalena pela transformação humanizada da sociedade brasileira será escasso, para não dizer nulo.

Não era possível, com o ruído do ambiente, formar sequer uma ideia do rumo das conversas. Porventura a crise de civilização que a humanidade enfrenta seria assunto em algumas mesas?

Consciente de que pertenço a outro mundo, senti que Marx, redivivo, se por ali passasse, concluiria que o conceito de alienação, por ele definido, mantém plena actualidade.


A LUTA DO MST

Tive a oportunidade retomar contacto com o Movimento dos Sem Terra.

Falei durante horas, num convívio familiar, com João Pedro Stedile e outros dirigentes do MST. Duas palestras sobre a conjuntura internacional, uma na Escola Florestan Fernandes, em Guararema, São Paulo, outra em Santa Tereza, no Rio de Janeiro, permitiram-me durante os debates avaliar a qualidade de quadros de diferentes Estados que demonstraram um nível de informação elevado sobre a crise global do capitalismo e disponibilidade para lutar contra o sistema de opressão imperial.

A consciência de classe nos militantes do MST é uma exigência das duras condições em que o Movimento luta pela Reforma Agrária. Sem ela não teria sobrevivido.

Mais de quatro milhões de camponeses têm fome de terra num país onde o latifúndio é responsável pela existência de dezenas de milhões de hectares de terras improdutivas.

Lula comprometeu-se no programa da campanha que o levou à Presidência em 2002 a levar adiante a Reforma Agrária. Mas logo esqueceu a promessa.

O latifúndio mais insolente e desumano do mundo permanece no Brasil como ofensa aos excluídos do campo. No Norte há empresas cujas fazendas têm a dimensão da Bélgica.

A destruição da floresta amazónica, pulmão da humanidade, prossegue com a cumplicidade dos governos do PT. No Estado de Randónia a mata virgem quase desapareceu, devastada pelos plantadores de soja e os criadores de gado. No Mato Grosso, em municípios com o de Barra do Graças – duas vezes maior do que Portugal - a situação é similar. Há meio século, quando ali estive, era um paraíso verde; hoje a desertificação avança em amplas áreas da bacia do Rio das Mortes e do Araguaia.

O MST cresceu amparado pelas comunidades de base ideadas pela Teologia da Libertaçao.

A confiança que os seus líderes depositavam nos sentimentos cristãos de Lula era ilusória. Em 2011,apenas 22.021 famílias obtiveram lotes em assentamentos, o que representou 51% dos conquistados em 1995 no governo de Fernando Henrique Cardoso. O recuo acentuou-se com a chegada de Dilma Roussef à Presidência (menos 61% do que os lotes atribuídos em 2003, na época de Lula).

Diferentemente de Fernando Henrique, Lula e Dilma não desencadearam a repressão contra o MST. Mas ela prossegue através dos governos estaduais, de juízes e autarcas corruptos, aliados aos terratenentes.

A organização dos assentamentos assumiu facetas de epopeia nas vertentes social, económica e politica. O MST criou um movimento de massas com bases sociais em todo o país, instalou escolas, forma quadros, criou inclusive uma universidade popular.

Mas o avanço torrencial do agro-negócio, da agro-industria, estimulado pelos governos do PT, paralisou - é a palavra - a Reforma Agrária. O número de assentamentos caiu muito nos últimos anos. Sem ajuda oficial, hostilizado pelo grande capital e pela maioria dos partidos do sistema, o MST bate-se com a tenacidade dos gregos antigos cantados por Homero.

Uma das suas frentes de batalha é agora a luta contra o Código Florestal, aprovado pelo Congresso sob pressão dos grandes senhores do latifúndio. O MSP, como milhoes de brasileiros, exige que a Presidente Dilma Roussef vete esse diploma monstruoso que, a ser promulgado, reforçaria privilégios do latifúndio e deixaria as portas abertas para a destruição do que resta da mata amazónica.


O OUTRO BRASIL

Uma imagem distorcida da política de Lula corre mundo.

Com um estilo e um discurso diferentes, ele deu continuidade à política neoliberal de Fernando Henrique. É uma inverdade - repito- que a desigualdade social tenha diminuído durante os seus dois mandatos. Com as suas medidas assistencialistas reduziu a pobreza e a miséria, o que lhe garantiu uma enorme popularidade entre os excluídos. Mas o fosso entre os de cima e dos de baixo não diminuiu, é hoje mais profundo. A estratégia neodesenvolvimentista de Lula e da sua sucessora, ao engavetar o programa social-democrata, favoreceu o grande capital e as transnacionais. Contou e conta com o apoio do imperialismo, não obstante alguns aspectos positivos da politica exterior.

O prestígio de Lula entre aquilo a que Marx chamou o lupemproletariado tem funcionado internamente como um anestésico. Dificulta extraordinariamente a luta contra a exploração de que os trabalhadores são vítimas. Lula foi um sindicalista corajoso que desafiou a ditadura, contribuindo para lhe apressar o fim. No poder neutralizou a combatividade do movimento sindical e passou a utilizá-lo como instrumento passivo da sua política. O controlo da principal Central Sindical, a CUT, é hoje uma arma que o PT utiliza bem, favorecido pelo baixo nível de consciência social da maioria dos trabalhadores, sobretudo no Nordeste e no Norte.

No novelo de contradições que é o Brasil neste início do século XXI as assimetrias sociais são um obstáculo ao avanço da luta de massas. Existem condições objectivas muito favoráveis para a condenação da política actual. Mas faltam as subjectivas.

À passividade dos excluídos soma-se a alienação da esmagadora maioria da pequena burguesia, sobretudo dos estamentos preocupados apenas a com a sua ascensão social.

Neste panorama confuso, os desafios enfrentados pelas forças revolucionários assumem extrema complexidade.

No Brasil surgiu uma intelligentsia brilhante. Das suas grandes universidades – a de São Paulo e a Unicamp, de Campinas figuram na lista das melhores do mundo – saíram nas últimas décadas sociólogos, economistas, historiadores e cientistas políticos que pelo valor e criatividade das suas obras conquistaram prestígio mundial.

No campo específico da política, a diversidade de formações ideológicas traduziu-se em discursos por vezes antagónicos e de assimilação difícil o que, semeando a confusão, sobretudo após o tsunami que implantou o capitalismo na Rússia, não contribuiu para a mobilização das massas contra o sistema.

Comunista, foi sobretudo no diálogo fraterno com camaradas do PCB no qual militei nos anos da ditadura que me esforcei para acompanhar o movimento da História e da vida no Brasil contemporâneo, em vertiginoso, permanente, quase alucinante processo de transformação.

A reflexão sobre o que vi, ouvi, estudei nestas semanas reforçou paradoxalmente o meu optimismo.

Aproveitei um fim-de-semana para rever Paraty, uma cidade colonial, no litoral fluminense, que não lembra qualquer outra por mim conhecida.

Ali era embarcado para Lisboa o ouro que descia em tropas de muares das serranias das Minas Gerais.

Caminhando sobre lajes musgosas em ruelas belíssimas entre casarões do século XVIII, com o pensamento navegando do passado ao presente e no sentido inverso, a meditação sobre as pontes que ligam o tempo morto ao tempo vivo fez-me subir à memória o polémico livro de Stefan Zweig. A Historia, creio, vai transformar em realidade a previsão que lhe valeu uma chuva de críticas. Antevejo o Brasil como um país que anuncia dramaticamente a humanidade futura.

Vila Nova de Gaia, Abril de 2012

"Temos que estar à altura das possibilidades que a conjuntura nos oferece”


Membro do Comitê Central do PCB desde 1982 e Secretário-geral do Partido desde 2005, quando da realização do seu XIII Congresso, Ivan Pinheiro recebeu a equipe do Imprensa Popular para conversar sobre as comemorações de 90 anos do PCB e os desafios atuais para a organização. Durante a entrevista, Ivan deixou claro que os comunistas brasileiros estão diante de boas possibilidades para o fortalecimento do PCB, mas que para isso ocorrer o Partido terá que vencer algumas deficiências em seu trabalho político e organizativo.

IMPRENSA POPULAR: Ivan, o que você diria se encontrasse aqueles homens que, em 25 de março de 1922, se reuniram em Niterói para fundar o PCB?

IVAN PINHEIRO: Em primeiro lugar agradeceria a eles por terem deixado este legado e o exemplo de que, por maiores que sejam as dificuldades, é preciso lutar. Aqueles comunistas enfrentaram grandes dificuldades para colocar o PCB de pé: viviam o predomínio do anarquismo no meio sindical, a repressão e a perseguição da República Velha. E ainda sofriam com a falta de recursos materiais e a pouca convivência comum, pois os núcleos comunistas eram pulverizados em vários Estados distantes, em um país enorme como o Brasil, numa época em que as comunicações e os transportes eram muito limitados. Isso demonstra de forma inequívoca: o PCB sobreviveu a essa dificílima infância devido ao apoio dos trabalhadores, ao acerto de sua política, à ligação com o Movimento Comunista Internacional  e à disposição de luta de seus militantes, que conseguiram ultrapassar todas essas barreiras. Deixaram um enorme exemplo para aqueles que fraquejam, conciliam e se rendem, cooptados pelo sistema.

Depois de agradecer, diria a eles que estamos muito atentos para a necessidade de mantermos no PCB os princípios de camaradagem, de internacionalismo proletário, de firmeza ideológica, de organização leninista que nos foram deixados. Que estamos vigilantes para que o instrumento que eles criaram em tão difíceis condições não caia na vala comum do reformismo, do compadrio, do caciquismo nas relações internas. Nossa responsabilidade é enorme!

IMPRENSA POPULAR: Responsabilidade não só com o passado, aliás...

IVAN: Sem dúvidas. O respeito àqueles que tombaram, que entregaram o melhor de suas vidas, que se sacrificaram em prol do PCB, da liberdade e da revolução socialista - e não só no Brasil. Nosso suor e nosso sangue estiveram na Guerra Civil Espanhola, na Resistência Francesa e em tantos outros momentos e lugares. Mais do que placas e medalhas, livros e filmes, nossa maior homenagem é continuarmos a luta pelo socialismo em nosso país e a solidariedade internacionalista.

IMPRENSA POPULAR: E os erros que o Partido cometeu?

IVAN: Aqui está um ponto fundamental. Esses 90 anos nos dão uma oportunidade ímpar entre as forças políticas do país: a do aprendizado através da própria experiência. Já erramos muito; creio que nossa cota de equívocos já se esgotou. São grandes as possibilidades de o PCB se transformar num vigoroso partido revolucionário. Mas para isso temos que olhar para alguns momentos do passado e manter distância tanto do sectarismo quanto da conciliação, Estamos encontrando um ponto de equilíbrio em algumas questões importantes. Não cair no liberalismo com questões de segurança e nem no "secretismo" conspirativo. Não supervalorizar espaços institucionais como os parlamentos nem na sua completa negação.

Também não podemos ser arrogantes com aliados do nosso campo político que, como nós, lutam pela ruptura do capitalismo e não por seu desenvolvimento e reforma. Temos que ser intransigentes com o reformismo e, no nosso Partido, com desvios oportunistas, individualistas, carreiristas.

IMPRENSA POPULAR: Aliás, consideradas as condições atuais, que PCB o futuro encontrará?

IVAN: Estamos fazendo o possível para que o futuro encontre um PCB cada vez mais enraizado no proletariado, atuando ativamente nos sindicatos e movimentos populares, na juventude, nos movimentos contra discriminações, na solidariedade internacionalista. Precisamos de uma intelectualidade orgânica e coletiva, em que o estudo teórico esteja a serviço principalmente do desenvolvimento ideológico. Precisamos uma verdadeira democracia interna, de mão dupla, das bases ao Comitê Central. Para isso, as bases têm um papel central no Partido, que é um sistema de organizações.

Queremos um partido verdadeira e profundamente revolucionário e internacionalista.

Temos que estar à altura das possibilidades com as quais a conjuntura nos oferece: com um capitalismo em crise e cujas máscaras estão caindo; temos de um lado uma esquerda que se rendeu ou foi cooptada, que está "no bolso" do grande capital. De outro, vemos sectarismo e movimentismo. Mas temos forças aliadas que têm uma linha política próxima a nós, com as quais temos que valorizar a unidade de ação. O PCB tem uma avenida à sua frente, e não pode desperdiçar a oportunidade de caminhá-la e alargá-la. Uma avenida ao socialismo! Parafraseando Leonel Brizola, “o cavalo está passando encilhado para o PCB”!

IMPRENSA POPULAR: Como assim?

IVAN: A queda da União Soviética e a posterior tentativa frustrada de liquidação do Partido por aqueles que fundaram o PPS nos trouxeram muitos problemas e algumas possibilidades. Entre os problemas estava a convivência, entre nós que mantivemos o PCB, de visões as mais díspares sobre para que o Partido deveria continuar existindo. Esse processo só foi cessar em 2005, e atrasou em muito as nossas possibilidades. Basta perceber que de lá para cá tivemos dois Congressos, duas Conferências Políticas: uma de organização e outra de mediações táticas. Reorganizamos a UJC e dinamizamos nossa área de atuação sindical. É como se estivéssemos azeitando uma máquina durante seu funcionamento. Não havia - como não há - a possibilidade de botar uma faixa "Fechado para obras".

Por outro lado, todo esse processo ocorreu com as inevitáveis depurações e deixou claro: não há modelos a seguir, fórmulas prontas a importar, é preciso estarmos prontos para receber militantes com as mais diversas trajetórias. Como dizíamos em 1992, nosso Partido pode ser o estuário dos comunistas brasileiros. Estamos cientes disso, temos muito a avançar em organização, finanças, agitação e propaganda, mas principalmente em nossa atuação nos movimentos de massa. Afinal de contas, PCB é pra lutar!

IMPRENSA POPULAR: Poderia resumir as principais lutas do PCB hoje?

IVAN: São tantas... Vamos começar por duas que recentemente mereceram algum destaque: a Palestina livre e a paz com justiça social na Colômbia. Tratam-se, nos dois casos, de povos que lutam contra Estados verdadeiros terroristas. Israel, que já desrespeitou tantas resoluções da ONU e que, para nós brasileiros, é um vergonhoso parceiro comercial na área da indústria armamentista, mais uma vez bombardeou a população palestina. Seu irmão gêmeo na América Latina, o governo colombiano, violou de forma sistemática e permanente os direitos humanos exterminando, na déceda de 90, o partido político de esquerda União Patriótica (UP), cujos mortos superam 5 mil militantes. No mundo, 60% dos sindicalistas assassinados são da Colômbia, foram mais de 2.778 nos últimos anos. No governo Uribe, mais de 34.000 pessoas foram desaparecidas. Prestamos, ainda que aquém de nosso potencial, solidariedade irrestrita a esses dois povos em sua luta contra a opressão.

IMPRENSA POPULAR: Importante você citar as relações comerciais entre Brasil e Israel, principalmente no setor armamentista...

IVAN: Temos denunciado sem subterfúgios que os governos petistas promovem uma expansão do capitalismo brasileiro pelo mundo, o que por vezes pode ser confundido como contraponto aos centros do imperialismo. Fundamentalmente na América Latina, é um diálogo que mantemos de forma franca com outros partidos comunistas da região.

IMPRENSA POPULAR: Diálogo cada vez mais profícuo, não?

IVAN: E sem nenhum tipo de conciliação. O movimento comunista internacional precisa deixar, de uma vez por todas, as ilusões reformistas para trás. Mesmo em países que atravessam processos de transformações democráticas, e talvez o melhor exemplo seja a Venezuela, os partidos comunistas não podem abrir mão de princípios e se deixarem levar por ilusões. Aliás, o Partido Comunista da Venezuela é um belo exemplo de força política que não coloca subterfúgios em sua linha política, prestando apoio ao governo Chávez sem perder sua independência. Não é à toa que mantemos boas relações com ele. De forma geral, diria que precisamos, cada vez mais, estabelecer ações comuns entre os PCs. É a política que funcionará como divisora de águas entre aqueles que se renderam ao capitalismo e os que, em seus países, lutam pela revolução socialista.

IMPRENSA POPULAR: E para chegarmos a ela no Brasil, qual tem sido a contribuição do PCB?

IVAN: A luta contra o peleguismo nos movimentos sociais, a bandeira da Frente Anticapitalista e Anti-imperialista, a defesa de nossos recursos naturais, principalmente o petróleo, a aproximação com aqueles que enxergam a necessidade de transformações radicais. Não será com mais capitalismo que os trabalhadores terão melhorias em sua condição de vida. O que vemos é a perda de direitos, o endividamento crescente das famílias, a falência dos sistemas de transporte nas grandes cidades, a privatização da saúde, a expansão sem qualidade da educação. Precisamos dizer isso de forma clara, até porque as pessoas sentem isso no dia-a-dia.

IMPRENSA POPULAR: Para terminar, quais suas principais lembranças desses 90 anos do PCB?

IVAN: Lembro dos nossos heróis, dos que foram assassinados, torturados, perseguidos. Lembro de nossas individualidades mais conhecidas, a começar por Luiz Carlos Prestes, o Cavaleiro da Esperança. Lembro de Ana Montenegro, Gregório Bezerra, Olga Benário, Marighella, Dinarcão, Giocondo, Caio Prado, Astrogildo, Octávio Brandão, Horácio; lembro de João Saldanha, Isnard Teixeira, Roberto Morena, Oswaldo Pacheco; lembro do Raimundão, do Espedito, do nosso querido Pacheco. Mas penso sobretudo nos milhares de militantes anônimos que deram suas energias, suas vidas para construir este querido PCB e lutar pelas causas mais nobres da humanidade.

A entrevista "Temos que estar à altura das possibilidades que a conjuntura nos oferece” foi publicada na edição especial comemorativa PCB, 90 ANOS DE LUTAS do jornal Imprensa Popular.

domingo, 15 de abril de 2012

REPUDIAMOS O PROJETO DOS LATIFUNDIÁRIOS SOBRE A DEMARCAÇÃO DAS TERRAS INDÍGENAS

NOTA POLÍTICA DO PARTIDO COMUNISTA BRASILEIRO

O Partido Comunista Brasileiro (PCB) repudia veementemente a decisão do Parlamento brasileiro, em votar e aprovar, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, a PEC 215, que trata da demarcação de terras indígenas. Segundo a PEC 215, o poder de demarcação de Terras Indígenas é transferido do Executivo ao poder Legislativo e se estende a terras quilombolas e a criação de unidades de conservação ambiental. Essa aprovação significou uma vitória da bancada ruralista, pois, na prática, impedirá que haja mais áreas indígenas e quilombolas identificadas.
É importante frisar que, diferentemente dos latifundiários e do agronegócio (representados pela bancada ruralista), a terra para os indígenas não possui interesses econômicos. A terra tem um significado de sustentabilidade, de memória, de cultura e identidade para os Povos Indígenas, condição vital para a reprodução física e cultural desses povos.
Inúmeras comunidades indígenas continuam sem possuir o direito à terra, portanto, sem o direito de locais para morar, realizar suas atividades produtivas e praticar suas manifestações culturais. Até mesmo o direito à educação diferenciada não é respeitado, uma vez que só pode se realizar se a comunidade indígena tiver a posse da terra. Para além desses fatores, as comunidades indígenas sem terra são vítimas, muitas vezes, de violência cometida impunemente por fazendeiros e latifundiários. Vale ressaltar que mesmo nas terras que já estão demarcadas pelo Estado, é comum a presença de posseiros e de invasões destas terras por garimpeiros e/ou madeireiros.
Atualmente, o processo de demarcação de Terras Indígenas já enfrenta várias dificuldades, como, por exemplo, as debilidades da Fundação Nacional do Índio (FUNAI), com falta de quadro pessoal, de condições de trabalho e de recursos orçamentários. Com esse quadro e dentro dos limites burgueses, poucas são as Terras Indígenas demarcadas nos últimos anos. Com a aprovação da PEC 215, esse processo praticamente deixará de existir, pois o poder de demarcar terra passará do Executivo para o Legislativo, sendo a decisão por conta dos parlamentares por meio de projeto de lei, aprovado por maioria simples.
O PCB repudia esse retrocesso do Estado brasileiro com as populações indígenas, pois fere pontos consagrados na Constituição: o reconhecimento das terras ocupadas pelos índios como direito original e a prerrogativa do Executivo em demarcar as terras. Torna-se necessário que as comunidades indígenas e os movimentos sociais e populares se mobilizem para a derrubada da PEC 215, ao mesmo tempo em que pressionem a FUNAI para agilizar os procedimentos de identificação e demarcação das Terras Indígenas.
No entanto, a problemática das Terras Indígenas em nosso país ultrapassa os limites da FUNAI, sendo, necessariamente, uma questão agrária. Portanto, é fundamental a luta pela reforma agrária em nosso país, garantindo terras para as comunidades indígenas, quilombolas e famílias sem terra.
PCB – Partido Comunista Brasileiro - Comissão Política Nacional (abril de 2012)

sábado, 31 de março de 2012

Declaração do Instituto Luiz Carlos Prestes sobre postura do PCdoB


O PCdoB vem utilizando de maneira indevida e inaceitável imagens de Luiz Carlos Prestes na tentativa de associar sua atuação à frente do PCB com suposta participação na história do PCdoB

Declaração do Instituto Luiz Carlos Prestes

O Instituto Luiz Carlos Prestes, entidade de perfil cultural, cujo objetivo é preservar e difundir a memória desse grande brasileiro - patriota, revolucionário e comunista, contando com o apoio de companheiros e amigos do Cavaleiro da Esperança, declara de público sua indignação e repulsa à atitude oportunista do PCdoB (Partido Comunista do Brasil), que vem lançando mão da manipulação grosseira da memória histórica dos comunistas brasileiros e, em particular, da trajetória revolucionária de Prestes com vistas a prestigiar-se perante a opinião pública nacional.

Assim, em seus programas eleitorais difundidos em rede nacional pela TV, o PCdoB vem utilizando de maneira indevida e inaceitável imagens de Luiz Carlos Prestes na tentativa de associar sua atuação à frente do PCB com suposta participação na história do PCdoB. Na realidade, o PCdoB foi criado em 1962, resultando de cisão com o PCB e com Luiz Carlos Prestes, então secretário-geral deste partido. Prestes jamais ingressou no PCdoB ou lhe concedeu qualquer apoio, sendo que o PCdoB durante anos o combateu com extrema virulência.

Um partido como o PCdoB, que apoia o novo código florestal, que é absolutamente acrítico às medidas neoliberais dos governos Lula/Dilma, imergido em denúncias de corrupção, e que ousa apresentar Prestes em seu Programa de TV é algo totalmente inaceitável.

A direção do PCdoB manipula também, entre outras, a memória do fundador do PCB, o conhecido intelectual comunista Astrojildo Pereira, que, ao falecer em 1965, continuava militando nas fileiras do PCB.

Nós, signatários desta declaração, conclamamos companheiros e amigos, bem como todos os brasileiros sinceramente interessados na defesa da preservação da história de nosso país, a denunciar e repudiar as manobras de falsificação da trajetória histórica de Luiz Carlos Prestes, das lutas dos comunistas brasileiros e da própria história do Brasil, realizada pela direção do Partido Comunista do Brasil.

Com esta atitude, desejamos expressar nossa posição intransigente de defesa de uma história objetiva de Luiz Carlos Prestes, dos comunistas, e do Brasil, baseada em fatos, e não em falsificações convenientes a esse ou àquele grupo político. Com esta atitude, queremos contribuir para o esclarecimento de amplos setores da opinião pública e evitar que outros se aventurem nos caminhos da falsificação de nossa história, conforme vem sendo feito pela direção do PCdoB.

Assina Anita Leocadia Prestes
Presidente do Instituto Luiz Carlos Prestes, historiadora e professora da UFRJ

quinta-feira, 29 de março de 2012

Brasil é denunciado na OEA por assassinato de Vladimir Herzog

País terá, agora, cerca de dois meses para se defender;  processo pode ainda ser enviado para a Corte Interamericana de Direitos Humanos

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), da Organização dos Estados Americanos (OEA),  abriu oficialmente um processo para investigar a não-punição dos responsáveis pelo assassinato do jornalista Vladimir Herzog em 1975. As autoridades brasileiras foram notificadas na segunda-feira (26).

A denúncia foi apresentada pelo Centro pela Justiça e o Direito Internacional (CEJIL), pela Fundação Interamericana de Defesa dos Direitos Humanos (FIDDH),  Grupo Tortura Nunca Mais de São Paulo e Centro Santo Dias de Direitos Humanos da Arquidiocese de São Paulo.

Em um comunicado, as entidades afirmam que "até o presente momento, apesar das tentativas no âmbito da justiça interna, o Estado não cumpriu com seu dever de investigar, processar, e sancionar os responsáveis pelo assassinato de Vladimir Herzog".

A denúncia afirma que o jornalista foi executado depois de ter sido arbitrariamente detido por agentes do DOI/CODI de São Paulo.

A morte de Herzog foi apresentada à família e à sociedade como um suicídio, e a investigação foi realizada por meio de Inquérito Militar, que concluiu pela ocorrência de suicídio. Entretanto, em 1978 a Justiça condenou a União pelo assassinato do jornalista.

O Brasil terá, agora, cerca de dois meses para se defender. Se considerar insuficientes as explicações do país, a Comissão poderá remeter o processo para a Corte Interamericana de Direitos Humanos, onde o Brasil poderá ser condenado - como já ocorreu em dezembro de 2010, no caso da Guerrilha do Araguaia (1972-1975).

Em fevereiro deste ano, o fotógrafo que registrou a foto de Herzog morto numa cela do DOI-Codi, Silvaldo Leung Vieira, revelou em reportagem publicada pela Folha de S.Paulo, que a cena do suicídio foi forjada pelos agentes.

A notícia "Brasil é denunciado na OEA por assassinato de Vladimir Herzog" foi originalmente publicada no site do jornal Brasil de Fatohttp://www.brasildefato.com.br/content/brasil-%C3%A9-denunciado-na-oea-por-assassinato-de-vladimir-herzog

segunda-feira, 26 de março de 2012

Famílias do MST reocupam área da Fepagro em Eldorado do Sul

Famílias do MST ocuparam na manhã desta segunda-feira a área da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro), em Eldorado do Sul. A área já foi destinada para a reforma agrária pelo governador Tarso Genro. A mobilização do Movimento visa apenas dar condições para que os trabalhadores possam de fato ser assentados e começar a produzir alimentos.
Após a ocupação, os militantes do MST receberam ameaça da polícia, que prometeram queimar a madeira trazida pelos Sem Terra que seriam utilizadas na construção de barracos de lona preta.

A ação é conjunta em três áreas destinadas pelo Executivo gaúcho para Reforma Agrária no ano passado. Além de ocuparem a Fepagro em Eldorado, as famílias iniciam o plantio de hortaliças e lavoura de subsistência nas áreas de Charqueadas e Taquari, também partes no acordo, que garantia a destinação de tais áreas para a criação de assentamentos até o final de 2011. No entanto, até hoje nenhuma das áreas foi oficialmente liberada.

Por determinação do governador do estado, Tarso Genro, em setembro de 2011 o secretário do Desenvolvimento Rural, Ivar Pavan, assinou um acordo com o MST destinando três áreas para assentar 36 famílias: a primeira em Eldorado do Sul, localizada próximo à BR-116 e à Estrada do Conde; a segunda em Charqueadas, localizada na antiga Colônia Penal Agrícola; e a terceira em Taquari, na Antiga FEBEM.

O acordo que definiu as áreas para a Reforma Agrária deriva de um documento anterior, de  abril, em que o governo estadual havia se comprometido em assentar as mil famílias que vivem em acampamentos no Rio Grande do Sul até 2012. Contudo, apesar da decisão política de liberar as três áreas para os futuros assentados, as famílias continuam vivendo em barracos de lona preta.

Por muitos anos estas áreas pertencentes ao estado estiveram sem função social. A área da Fepagro vinha sendo arrendada para terceiros de forma ilegal. Inclusive os agrotóxicos utilizados por estes levaram à contaminação de algumas vilas e comunidades rurais do município.
Agora, com a ajuda de outros assentamentos do MST, as famílias reocupam, plantam alimentos orgânicos e exigem condições para dar continuidade à produção, isto é, acesso aos direitos sociais como moradia, saneamento básico, educação e saúde.

A situação desses assentamentos não é exceção: a Reforma Agrária não tem sido prioridade política no Brasil nem no Rio Grande do Sul. Enquanto os assentamentos rurais padecem devido à falta de recursos, o governo investe cada vez mais no agronegócio e em grandes eventos (como a Copa do Mundo 2014 e Olimpíadas 2016).

Pauta das famílias acampadas do MST

- Assentamento das 1.000 famílias acampadas no Estado

- Liberação do convênio com o Governo Federal para compra de novas áreas destinas a Reforma Agrária no valor de R$126 milhões

- Regularização das três novas áreas de Eldorado do Sul, Charqueadas e Taquari

- Infraestrutura para produção de alimentos nos novos assentamentos, além de moradia, eletricidade e água potável

A notícia "Famílias do MST reocupam área da Fepagro em Eldorado do Sul" foi originalmente publicada no site do MSThttp://www.mst.org.br/Familias-do-MST-reocupam-area-da-Fepagro-em-Eldorado-do-Sul

domingo, 25 de março de 2012

PCB, noventa, noves fora, o que fica?

GILBERTO MARINGONI

Os fundadores do PCB (Niterói-RJ, 25 de março de 1922)
Da esquerda para a direita, em pé: Manuel Cendón, Joaquim Barbosa, Astrojildo Pereira, João da Costa Pimenta, Luis Peres e José Elias da Silva. Sentados: Hermogêneo Silva, Abílio de Nequete e Cristiano Cordeiro.
Os nove parecem estar posando para uma foto de formatura, ou para uma reunião de grêmio literário do interior. Há um tom solene nos rostos. Eles estão de terno e encaram fixamente a câmara. Têm entre 23 e 33 anos. Acabaram de realizar uma reunião, que depois se mostrou histórica, dividida entre os dois lados da baía de Guanabara, nos dias 25, 26 e 27 de março de 1922, há exatos 90 anos. Desse pequeno encontro, registrado em uma única foto conhecida, resultou a fundação da mais importante agremiação política da esquerda brasileira por várias décadas: o Partido Comunista do Brasil (PCB). A partir de agosto de 1961, em uma tentativa de obtenção de seu registro legal, seu nome mudaria para Partido Comunista Brasileiro.

Cristiano Cordeiro (1895-1987), um dos nove delegados, vindos de vários pontos do País, assim se lembraria daqueles dias:

"As reuniões foram duas nos sindicatos dos Alfaiates e Metalúrgicos, no Rio, e duas num sobrado das tias de Astrojildo Pereira (outro dos participantes), em Niterói. Éramos apenas nove, representando grupos comunistas de vários estados brasileiros. Secretariei os encontros, onde foram lidos os ‘21 pontos de Moscou’, discutida sua aplicação à nossa realidade, estudada a criação de comitês em cidades importantes e vista a necessidade de se criar um jornal do partido. Na sessão de encerramento, para não espantar as tias de Astrojildo, cantamos bem baixinho a ‘Internacional’".


Período fértil em rebeldias

A referência aos "21 pontos de Moscou" não é gratuita. A criação do PCB foi o desaguadouro quase natural das particularidades da situação brasileira, aliadas ao formidável impulso que a Revolução de Outubro de 1917 deu aos movimentos libertários em todo o mundo. Aqueles pontos versavam sobre as condições necessárias para a admissão dos partidos à III Internacional Comunista, organização capitaneada pelo Partido Comunista da Rússia (PCR).

Quanto à situação nacional, ela era explosiva fértil. O País enfrentava desde o início do século XX um acirramento de lutas sociais, com greves e rebeliões em vários estados. No entanto, faltava a elas um vínculo aglutinador que desse rumo nacional a uma série de iniciativas fragmentadas em várias regiões, com destaque para a Greve de 1917, que parou São Paulo por vários dias.

O movimento anarquista, que estivera à testa de inúmeras dessas manifestações, já não conseguia responder às demandas de um operariado urbano que, apesar de reduzido numericamente, procurava vencer uma situação de inexistência de direitos e condições de vida extremamente precárias.

O ano de 1922 foi particularmente explosivo. As camadas médias exibiram sua rebeldia através do movimento tenentista, com ações violentas especialmente no Rio de Janeiro. Em São Paulo, alguns enfants terribles extremamente talentosos, agregados à oligarquia cafeeira, marcaram a vida cultural com a "Semana de Arte Moderna".


Erros e acertos

Apesar da abnegação de seus militantes, em seus anos iniciais, o PCB era um reduzido agrupamento com pouca presença no movimento popular. A repressão feroz do governo Arthur Bernardes (1922-1926) em muito contribuiu para isso. Somente no início dos anos 1930, quando o Partido recebe a adesão de Luis Carlos Prestes (1898-1990), já então uma figura lendária, egressa da Coluna, o Partido passa a ter voz expressiva no cenário político.

A história do PCB nos quarenta anos seguintes entrelaça-se com a história do movimento operário e popular no Brasil. Aglutinando lideranças populares, artistas, intelectuais, militares, estudantes etc. e vivendo a maior parte de sua longa existência sob os rigores da clandestinidade, o Partido cometeu erros e acertos que tolheram muito de sua capacidade de ação.

Os equívocos que resultaram no desastre do levante de novembro de 1935 marcaram toda uma geração de comunistas brasileiros. Nenhum partido brasileiro teve quase toda sua direção encarcerada durante praticamente uma década.

A necessidade da realização de um sólido trabalho de massas passou a ser quase que obsessivo nos anos seguintes. A campanha pelo fim da ditadura getulista, as eleições para a Constituinte de 1946, a jornada do ‘Petróleo é nosso, as grandes greves do início dos anos 1950, a luta pelas reformas de base, dentre tantas outras, tiveram no PCB seu núcleo definidor.


Lenta agonia

A luta pela conquista de espaços institucionais, que o tirassem da clandestinidade, da qual só se livrou por curtos 18 meses (1946-47), acabou gerando uma linha por vezes errática.

A situação internacional – da Guerra Fria às mudanças realizadas na União Soviética a partir de 1956 – também atingiu em cheio a legenda. Equívocos e cisões – o mais importante deles, em 1962, deu origem ao Partido Comunista do Brasil (PCdoB) - deixaram o partidão, como era conhecido, despreparado para enfrentar a conjuntura que resultou no golpe de 1964.

A partir daí, acentuam-se as dissidências e fragmentações, que conduziram a agremiação a uma lenta agonia e perda de iniciativa política. No início dos anos 1990, com a ofensiva globalizante e a queda dos regimes do leste europeu, o Partido praticamente se extingue. Três correntes reivindicam sua trajetória: o PCdoB, com significativa influência política, o Partido Popular Socialista (PPS) e o pequeno PCB. A disputa por sua herança mostra a longa e profunda legitimidade que os comunistas alcançaram na vida nacional.

Nesta segunda década do século XXI, quando a economia capitalista enfrenta uma grave crise e em que as ambigüidades e os limites do governo Dilma afloram de diversas maneiras, vale a pena lançar um olhar em direção àqueles brasileiros reunidos num prosaico sobrado de Niterói há nove décadas. E vale examinar que a luta pelo socialismo alcança inúmeros caminhos, sem desprezar coragem, combatividade e uma escolha clara sobre o lado a se defender.

O texto "PCB, noventa, noves fora, o que fica?" foi originalmente publicado no site Carta Maiorhttp://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=19823

terça-feira, 6 de março de 2012

Mulheres do campo e da cidade ocupam Ministério da Fazenda em Porto Alegre

Trabalhadoras urbanas e rurais ocuparam, nesta manhã, o prédio da secretaria do Ministério da Fazenda em Porto Alegre, na Av. Loureiro da Silva.

As trabalhadoras reivindicam a liberação de recursos pelo Ministério da Fazenda para a desapropriação de terras para assentar as famílias que estão acampadas no estado e para programas que resolvam os problemas causados pela seca para as famílias camponesas.


A mobilização é parte da Jornada Nacional de lutas e dá continuidade às ações desta manhã no Rio Grande do Sul, com a liberação do pedágio em Guaíba.

Após deixarem o pedágio, as camponesas reuniram-se com trabalhadoras do Movimento dos Trabalhadores Desempregados (MTD) e ocuparam o prédio da Receita Federal e Secretaria do Ministério da Fazenda.

Os protestos reivindicam também programas de governo que incentivem a produção de alimentos saudáveis, recursos para infra-estrutura de produção de alimentos nas parcelas agrícolas com novas técnicas de produção e recursos para a produção e a organização das mulheres nos assentamentos.


Código Florestal

As trabalhadoras exigem também que a presidenta Dilma Roussef vete as mudanças aprovadas no Congresso no Código Florestal.

Para a Via Campesina, o novo Código irá beneficiar apenas o agronegócio, anistiando os grandes desmatadores e estimulando a destruição do meio ambiente para expansão de monocultivos como a soja, eucalipto e a cana-de-açucar. Dessa forma, beneficia somente empresas transnacionais e grandes proprietários de terra do agronegócio.

A notícia "Mulheres do campo e da cidade ocupam Ministério da Fazenda em Porto Alegre" foi originalmente publicada no site do MSThttp://www.mst.org.br/node/12988

segunda-feira, 5 de março de 2012

"ESSAS MULHERES": LANÇAMENTO DE LIVRO DE TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO NO DIA 8 DE MARÇO

O 39º Núcleo do CPERS/Sindicato lançará no dia 8 de março, às 17h, no Largo Glênio Peres, o livro “Essas Mulheres” por ocasião do Dia Internacional da Mulher. O livro traz textos e poesias das Educadoras da Rede Pública Estadual, refletindo a luta, os sonhos e o cotidiano dessas Trabalhadoras em Educação.

O lançamento do livro fará parte de um ato público político e cultural que terá participação de outras Categorias, Sindicatos  e Associações (SIMPA, ATEMPA, MAGISTER, ASERGHG, SINDET, CEDS - CSP/CONLUTAS e INTERSINDICAL – UNIDADE CLASSISTA – RESISTÊNCIA POPULAR).

Complementando as atividades de lançamento do livro, no dia 10 de Março, às 19h, no Bar Parangolê (Av Lima e Silva nº 240) haverá o lançamento festivo do livro onde todos os Educadores estão convidados a comparecer.

domingo, 4 de março de 2012

Melhor distribuição de renda no Brasil é uma ‘construção ideológica, planejada e articulada’

PAULO PASSARINHO
Economista e apresentador do programa de rádio Faixa Livre

O Brasil é  –  e continua sendo  –  um dos países mais desiguais do mundo. Uma vexaminosa vergonha, caso os ricos do nosso país tivessem um mínimo de respeito pelo nosso povo, pela verdade e por um mínimo senso de justiça. Ao contrário, não somente os ricos, seus políticos e seus acadêmicos não possuem esses predicados, como fazem escola agora, junto a segmentos da vida nacional que outrora se colocavam contra o espírito predador e egoísta das classes dominantes nativas.

Nos últimos anos, por exemplo, com o amplo apoio da mídia dominante, generalizou-se a informação sobre uma suposta melhor distribuição de renda no Brasil. Com base em dados obtidos pelas PNAD’s – Pesquisas Nacionais por Amostra de Domicílios, do IBGE –, difunde-se, sem maiores cuidados, que a distribuição de renda, desde 1995, vem melhorando no país, ano após ano, em particular de 2005 para cá.

Tecnicamente, através do cálculo do coeficiente de Gini, a partir desses dados das PNAD’s, de fato é constatável uma melhor distribuição da renda. Contudo, esse tipo de resultado não corresponde inteiramente à realidade. Esta ponderação é importante, pelo fato, de amplo conhecimento de pesquisadores e estudiosos da matéria, de os números das PNAD’s não captarem adequadamente os dados de renda relativos aos ganhos dos capitalistas, rendimentos vinculados à geração e pagamento de lucros, juros e aluguéis. Essas pesquisas do IBGE registram de forma adequada os rendimentos típicos do mundo do trabalho – salários, diárias, pagamento de autônomos, trabalho por conta própria, entre outros.

Portanto, estudos sobre a distribuição de renda, com base nos resultados das PNAD’s, não revelam uma parte importantíssima da repartição de rendas no país, justamente aquela apropriada pelos capitalistas.

Em um país com uma estrutura tributária regressiva, onde a maior parte da arrecadação advém de tributos sobre o consumo e a produção (o que faz com que, proporcionalmente aos ricos, os pobres paguem mais); onde a estrutura fiscal, de gastos públicos do Estado, privilegia as despesas financeiras, com o pagamento de uma carga de juros alta e crescente, ano após ano; e onde os serviços públicos voltados à população são péssimos, desconsiderar a parcela da renda que fica com os capitalistas, em estudos sobre distribuição de renda no Brasil, é no mínimo curioso.

Contudo, passou-se a considerar absolutamente trivial a informação sobre uma suposta melhoria na distribuição de renda no Brasil, nos últimos anos. Chegamos ao ponto de passar como algo dado o “surgimento” de uma nova classe média, apenas existente nas planilhas de economistas do mainstream, nas editorias de economia da mídia dominante e nas visões mercadológicas de publicitários. Brasileiros fazendo parte de famílias com rendimentos acima de R$ 1.300,00 se viram, da noite para o dia, “promovidos” à almejada classe média.

O que objetivamente temos experimentado é que, com os aumentos reais do valor do salário mínimo, o impacto desse reajuste na maior parte dos benefícios da Previdência – que hoje correspondente ao valor do salário mínimo – e com a ampliação dos programas de transferência de renda aos miseráveis, de fato, tivemos uma elevação dos rendimentos dos mais pobres, da base da pirâmide populacional brasileira, diminuindo o espaço de diferença entre esses e os brasileiros de maior renda assalariada, ou dependentes de rendimentos do trabalho. Porém, podemos destacar, os ricos e super-ricos ficam de fora dessa conta.

Outra informação relevante para esclarecer essa realidade pode ser obtida junto ao Dieese – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Esse órgão calcula mensalmente o valor que deveria corresponder ao salário mínimo, caso a cesta de consumo prevista para o seu atendimento fosse respeitada – incluindo as despesas não somente com alimentação, mas com habitação, transporte, saúde, lazer, entre outras, para uma família com dois adultos e duas crianças, de acordo com o decreto original de sua criação, em 1940.

Por esse cálculo do salário mínimo necessário, o valor correspondente deveria ser (agora, em outubro desse ano de 2011) de R$ 2.329,94. Este seria o valor – mínimo – para se assegurar a subsistência de uma família de quatro pessoas, o que implicaria uma renda média familiar por pessoa de R$ 582,49. Valor, portanto, superior ao atual salário mínimo em vigor, de R$ 545,00. Esses valores nos dão a dimensão da distorção produzida para nos convencer sobre o suposto surgimento do que se chama de “nova classe média”. Na verdade, boa parte dos contemplados com esta nova designação possivelmente sequer poderia estar sendo considerada como pobre, ao menos sob os critérios do que poderíamos considerar como o justo valor de um salário mínimo, digno desse nome.

Reinaldo Gonçalves, professor de economia da UFRJ, em recente estudo – Redução da Desigualdade da Renda no Governo Lula – Análise Comparativa (junho/2011) –, coloca essa discussão em termos mais racionais e com o grau de seriedade que o assunto merece. Entre as principais conclusões de seu trabalho, o professor assinala que há tendência de queda da desigualdade da renda no Brasil no Governo Lula. Entretanto, a redução da desigualdade da renda é fenômeno praticamente generalizado na América Latina, no período 2003-08. Reinaldo lembra que, apesar desse avanço, Brasil., Honduras, Bolívia e Colômbia têm os mais elevados coeficientes de desigualdade na América Latina, que tem, na média, elevados coeficientes de desigualdade pelos padrões internacionais. Além disso, o Brasil experimenta melhora apenas marginal na sua posição no ranking mundial dos países com maior grau de desigualdade, entre meados da última década do século XX e meados da primeira década do século XXI, saindo da 4ª posição da lista mundial dos países mais desiguais para a 5ª posição.

Por fim, por tudo isso, não é de se estranhar a informação divulgada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), com relação ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 2011. Por esse cálculo, baseado em quatro critérios – esperança de vida, média de anos de escolaridade, anos de escolaridade esperados e renda nacional per capita –, o Brasil está em 84º lugar em uma lista de 187 países. No ano passado, estávamos na 73ª posição, entre 169 países.

No âmbito da América Latina, o Brasil ocupa apenas o 20º lugar. Contudo, quando se incorpora a esse cálculo do IDH justamente o grau de desigualdade de renda, nosso país passa a ocupar apenas o 97º lugar, perdendo 13 posições.

Fica clara, assim, mais uma vez, a construção ideológica, planejada e articulada, em curso no Brasil, por parte de governos, mídia dominante, círculos acadêmicos e os partidos da ordem. O objetivo é nos convencer sobre o suposto caminho exitoso do modelo econômico dos bancos e das transnacionais. As reiteradas notícias e informações sobre a melhor distribuição de renda do Brasil têm a rigor apenas uma meta: legitimar o modelo em curso, as políticas econômicas adotadas para a sua viabilização e a demonização de qualquer alternativa que venha a ameaçar os grandes beneficiários da ordem atual.

O texto "Melhor distribuição de renda no Brasil é uma ‘construção ideológica, planejada e articulada’" foi originalmente publicado no site Correio da Cidadania: http://www.correiocidadania.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=6482:manchete041111&catid=58:paulo-passarinho&Itemid=124#comments

Um povo culto é um povo livre

OTÁVIO DUTRA
Estudante de Medicina da Escuela Latinoamericana de Medicina (ELAM) e militante do Coletivo Paulo Petry da União da Juventude Comunista (UJC)

Uma pitada de poesia é suficiente para perfumar um século inteiro (José Marti)

De 9 a 19 de fevereiro a capital dos cubanos e das cubanas se perfumou de poesia, de conto, de ciência e ficção.

O mundo tornou-se pequeno para as letras e a imaginação desse rebelde povo. Quando nos referimos ao número de visitantes da 21° Feira Internacional do Livro de Cuba não nos basta falar de milhares, mas sim de milhões de cubanos e latino-americanos que participaram desta festa de cultura e conhecimento. Os livros nas mãos do povo, vendidos a modestos preços, também ultrapassam as cifras milionárias, em um país com pouco mais de 11 milhões de habitantes. Crianças conduzidas por seus pais e professores transformam cultura em brincadeira, e seus olhos brilham nas salas de leitura infantis; sua imaginação aflora com cada nova estória. Cada uma das crianças cubanas ganhou um livro infantil a sua escolha.

Os caminhos do histórico Forte de La Havana, que por séculos serviram aos canhões dos dominadores (espanhóis ou estadunidenses), hoje conduzem todo um povo para o único caminho de liberdade: a cultura e o conhecimento. É dessa forma que a revolução cubana muniu seu povo com a mais eficaz arma contra a opressão e a dominação, os livros. Nenhuma outra arma poderia manter e revigorar permanentemente as mais de cinco décadas de construção socialista, décadas de ataques imperialistas incessantes, mas principalmente de criatividade e unidade de um povo que jurou jamais voltar a viver de joelhos. Um povo culto não se submete a ser enganado ou dominado.

Talvez seja este o grande segredo da revolução cubana, que ousou manter seus princípios quando o bloco socialista ruiu com as contra-revoluções dos 80 e 90. Desde a campanha nacional de alfabetização – uma das primeiras medidas revolucionárias – os livros não mais abandonaram a cabeceira dos cubanos e das cubanas. A partir de então, ainda que pobre e bloqueada política e economicamente pelo maior império que a humanidade já conheceu, Cuba transformou-se numa potência científica e no maior pólo de cultura da América Latina, ultrapassando as fronteiras impostas aos povos para levar letras e ações de emancipação ao mundo. Hoje é um dos países do planeta com o maior número de escritores e escritoras registrados per capita, número inigualável nas Américas, e omitido pelos meios de comunicação hegemônicos.

Dessa forma seguem seu caminho os cubanos e as cubanas, com as estantes carregadas de livros nacionais e internacionais, com os punhos preparados para lutar pelo mundo sonhado desde as primeiras revoluções populares, com a convicção científica de que é possível construir uma sociedade de riqueza coletiva e oportunidades iguais, com as mentes cheias de criatividade e com os corações transbordando solidariedade e amor aos oprimidos do mundo.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Resposta da União da Juventude Comunista a Zuenir Ventura

COORDENAÇÃO NACIONAL DA UNIÃO DA JUVENTUDE COMUNISTA

O artigo de Zuenir Ventura, profundamente ideológico ao realizar uma mera apologia à administração “caridosa” do capitalismo, está no bojo desta hegemonia que nesta conjuntura internacional de crise passa a ser fortemente contestada em diversos locais do globo.

O mundo necessário para humanidade é o socialismo!

O texto original de Zuenir Ventura

Zuenir Ventura, em artigo do dia 28 de janeiro no jornal “O Globo”, se referiu a um trecho de um documento da União da Juventude Comunista, juventude do PCB Partido Comunista Brasileiro, no que se refere a nossa opinião sobre o Fórum Social Temático, realizado há poucas semanas em Porto Alegre, RS. O autor se refere a nossa opinião como utópica e entoa elogios ao encontro de opiniões de Davos (Fórum Econômico) e Porto Alegre (Fórum Social).

A opinião do referido autor se encaixa em uma conjuntura onde, aqui no Brasil, nos deparamos com um processo de amoldamento de entidades, personalidades e partidos de “esquerda” que, até algum tempo atrás, se encontravam no campo popular e crítico com relação à realidade brasileira. Obviamente, este processo não é fruto apenas da “traição”, vontades individuais e gostos subjetivos, mas sim, resultado da hegemonia de projetos e perspectivas sobre a problemática social no país pelas próprias forças do “mercado” e do empresariado brasileiro, tendo como principal instrumento de mediação as ONG´s.Nesta perspectiva, a questão social não é mais uma questão de organização da sociedade e sistêmica, mas uma questão específica e gerencial.

O artigo de Zuenir Ventura, profundamente ideológico ao realizar uma mera apologia à administração “caridosa” do capitalismo, está no bojo desta hegemonia que nesta conjuntura internacional de crise passa a ser fortemente contestada em diversos locais do globo. A opinião de Ventura também coincide com a própria organização do Fórum Social Temático, fórum este que se caracteriza pelo aparente caráter descentralizado, com centenas de atividades das mais variadas temáticas - que reproduzem, em grande medida, a fragmentação e a focalização em lutas específicas em nossos tempos de discursos pós-modernos - esconde, na verdade, a hegemonização de sua direção por ONG´s e setores atrelados ao governo. A bandeira por um "outro mundo possível", naquele espaço, não passa de uma máxima esvaziada de um conteúdo que conteste, de fato, a atual ordem vigente. Ainda que se mencione o socialismo - com discursos redesenhados à esquerda, mas desmascarados pelas práticas concretas - a denúncia da mazelas produzidas pelo capitalismo não desvela a essência de seu caráter predatório e tão pouco projeta a sua superação.

O problema central para a União da Juventude Comunista, organização citada na apologia de Ventura, é que a resolução dos problemas ocasionados pelo regime do capital não é uma questão meramente administrativa, ideal ou específica. Os inúmeros problemas sociais e desumanos que vivenciamos são gerados pela própria natureza estrutural e histórica do capitalismo. Como isto se materializa hoje? Podemos citar alguns exemplos: a expansão descontrolada da especulação imobiliária no Rio de Janeiro entrando em choque com a demanda de moradia de milhares de sem teto na cidade, a expansão dos lucros do agronegócio que não coincidem com a demanda por terra e trabalho para muitos sem terra e pequenos agricultores, o crescimento das instituições privadas de ensino superior (em detrimento da expansão com qualidade das instituições públicas) apesar do apoio acrítico e incoerente com o histórico da UNE – e que não vem representando as demandas reais para a expansão pública e universal das universidades - dentre outras inúmeras questões.

Utopia !?

Não.

Sabemos que são apenas algumas demonstrações de como o capital entra em conflito com as demandas básicas da vida da grande maioria das pessoas, e é por isso que em nosso documento para o fórum apontamos que não há saída para os problemas da humanidade se o regime do capital não for superado positivamente, e o socialismo é a única forma possível. A solução apontada pelo Fórum e por Zuenir Ventura, de conciliar o que é inconciliável, é reforçar um olhar anacrônico e acrítico com relação à origem e à solução para os problemas sociais de nossa época. Em suma, é reforçar a sustentação do status quo. É óbvio que existem outras opções e possibilidades, já que a história é feita por pessoas, grupos e classes com distintos interesses, mas a outra possibilidade, a da conciliação, esta sim nos leva a barbárie social e ao próprio empobrecimento crítico e cultural da capacidade humana. E é este tempo e espaço que os jovens ou velhos comunistas ousam mudar e criticar, não como portadores das verdades universais, mas como um dos sujeitos que compõem os anseios objetivos dos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil e do mundo.

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Mirante do Morro Santa Tereza: Prefeitura e Zaffari planejam permuta de áreas

PAULO MUZELL

O jornal Metro – uma “joint venture” do Grupo Bandeirantes e da Metro Internacional – publicou na semana passada, com grande destaque, matéria sobre a reforma e ampliação do Mirante do bairro Santa Tereza. É de se estranhar que um importante projeto da Prefeitura da capital, envolvendo um negócio de dezenas de milhões de reais seja anunciado na ausência do prefeito José Fortunati – candidato à reeleição num ano eleitoral -, pelo ex-deputado estadual Luiz Fernando Záchia, atual secretário municipal do Meio Ambiente (SMAM).

Segundo Záchia, o projeto seria viabilizado através da permuta de áreas entre a Prefeitura de Porto Alegre e a Cia. Zaffari. O município entregaria uma área de sua propriedade, de 6 mil metros quadrados localizada no bairro Três Figueiras, avaliada em 15 milhões de reais, recebendo em troca 3,8 mil metros quadrados localizados junto ao Mirante S. Tereza e uma gleba de 120 hectares localizada junto à Reserva Ecológica do Lami, que seria ampliada. A reurbanização do Mirante ficaria à cargo do grupo privado, com custo estimado em 600 mil reais. O projeto de lei autorizativo, anunciou o secretário, será enviado à Câmara Municipal num prazo de 60 dias.

Numa avaliação preliminar, sem dispor ainda dos laudos técnicos, parece carecer de isonomia a permuta anunciada. A Prefeitura trocaria uma área localizada num bairro nobre, classe A, com excelente potencial construtivo por um terreno localizado em área degradada, desvalorizada e mais uma gleba situada em zona periférica, rural, junto à uma reserva ecológica com baixo ou nulo potencial construtivo e, portanto, de reduzido valor.

Surpreendentemente, procurada pelo Metro a Cia. Zaffari informou “não possuir envolvimento com o assunto”.

Outro fato estranho é que a notícia do anúncio de um projeto deste porte não ter tido  repercussão: os demais veículos da mídia impressa da capital simplesmente ignoraram o assunto. Há uma “misteriosa nuvem de fumaça” em torno do tema. O prefeito Fortunati enviará o projeto à Câmara Municipal até o final de abril próximo? Vamos aguardar, atentos, com os olhos bem abertos.

A notícia "Mirante do Morro Santa Tereza: Prefeitura e Zaffari planejam permuta de áreas" foi originalmente publicada no blog rsurgentehttp://rsurgente.wordpress.com/2012/02/12/mirante-do-morro-santa-tereza-prefeitura-e-zaffari-planejam-permuta-de-areas/